23 maio 2009

Cloud News

Ou a sanha ávida por leitores na busca de índices de audiência.

Tirando a morte de Zé Rodrix, um cara que sempre foi do ról das minhas preferências e cujo desaparecimento repercutiu na mídia exatamente como ele era, sem alarde e com muito respeito, porque era uma cara bacana. Suas músicas sempre foram criadas com o espírito dos jingles, por isso é que eram tão bonitas. Casa no campo, tanto podia embalar finais de noite no acampamento com amigos, quanto vender margarina. Poesia pura;

A queda do avião em Trancoso que levou 14 pessoas em circunstâncias ainda por determinar. O avião estava ao que tudo indica revisado e pilotado por um cara experiente;

A sacanagem do acidente presumivelmente provocado pelo deputado que levou embora os jovens curitibanos Gilmar Rafael Yared e Carlos Murilo de Almeida, que vai passar por enfadonho processo de apuração para que Oxalá conclua-se aquilo que grita aos nossos olhos e de que o Brasil inteiro já está "porr aqui";

A exposição inadequada sob meu ponto de vista da garota Maisa num certo programa de televisão, que anda longe do politicamente correto;

A boa e velha General Motors sendo assediada pela Fiat. Pelo amor de Deus credores, sejamos razoáveis, imaginem o Vectra ou o Cadillac do Obama com o logotipo da Fiat na grade do radiador. Nada contra a Fiat, mas penso mais adequado criar uma nova empresa administrando marcas. Vide Perdigão e Sadia, Itaú e Unibanco;

Lula, será que com todo o robusto caixa não dá para sermos acionistas majoritários da GM? Pagamos com o pré-sal e ainda vai sobrar muito para a educação, saneamento, saúde?

Por que senão eles saneiam a empresa, ela passa a fabricar carros elétricos e aí ninguém mais vai querer o nosso petróleo.

Enquanto isso, pasmem, Fãs enfrentam filas quilométricas para assistir aos Jonas Brothers

De onde saiu isso? Eu só escutei falar desses caras ontem e estou me perguntando novamente: De onde saiu isso? Filas quilométricas ???? Milhares de fãs ????? - Eeeeeeecaaaaaa

Gripe Suína, falências, desastres. Será que não cabe mais nada na imprensa de hoje em dia?

Será mesmo que o Povo, precisa ler esse amontoado, digo ser metralhado com esse Nebuloso Cenário?

Isso é que é computação em nuvens. Jogam uma quantidade imensa de fumaça nos nossos olhos, para que não vejamos o que está acontecendo de verdade. A metáfora do mágico, que balança e ilumina uma das mãos enquanto o truque acontece na outra.

Hare Baba, e a Ivone, vai mandar a mão na grana do "finado" Cadore e não aparece ninguém para deter a meliante e seu comparsa. Até na novela, polícia só aparece rápido quando é barraco com a mulher do guarda e a massagista, exatamente por causa do guarda.

Quatro pessoas morrem pisoteadas em rodeio de Jaguariúna numa demonstração clara que esse tipo de evento precisa de um tanque de guerra estacionado e um corredor polones de PE's para conter a fúria ensandecida dessa juventude brilhante do nosso país que adora sexo, drogas e Serta'n'Ojo que é uma grande máfia que adora embebedar a moçada e oferecer aroma de bosta de vaca, misturado com caubóis repetitivos e chifronóticos.

Chávez quer recursos do BNDES provavelmente para nacionalizar tudo na Venezuela e ficar devendo só para o Brasil

Sugiro ao William Bonner e a Fátima Bernardes que troquem o Boa Noite, pelo Salve-se quem puder.

03 maio 2009

Anacrônico

Está na Revista Época

A jornalista Helen Benedict descreve no livro The Lonely Soldier: The Private War of Women Serving in Iraq (algo como: Soldado Solitário - A Guerra Íntima das Mulheres Servindo no Iraque) a experiência das militares americanas que são violentadas pelos próprios companheiros no front. Cerca de 30% são estupradas durante o serviço militar.

Toda a violência, não importa de onde venha é condenável. Dentro de um contexto que entende a guerra como parte da Vida Humana, é natural que isso aconteça.


Ou a autora esqueceu é que há muitos homens "estuprados" nas Forças Armadas em qualquer lugar do mundo?

O ambiente de uma guerra em nada lembra um passeio no shopping. Está nessas mulheres também, a mesma crença de que se defende a liberdade com o uso da força. Estupro e outras violências, são consequência natural desse modo de pensar.

Anacronismos dos seres humanos. Partem da premissa da força bruta dos canhões para defender seus pontos de vista e depois se lamentam das dores pessoais sofridas no Meio onde esse espetáculo de estupidez acontece.

Diga-me com quem andas e eu te direi quem és.

Sensacionalismo barato em busca dos tais 15 minutos de fama. Façam então como muitas mulheres e homens, procurem uma profissão que lhes traga paz de espírito ao invés de se colocar a serviço de uma indústria de morte.

Frequências

jornal web Farol Comunitário

Pode acreditar

Tudo vale a pena se a alma não é pequena - Fernando Pessoa