06 fevereiro 2016

Você conduz a sua vida a partir das suas escolhas

Dito isso, não adianta você apontar o dedo para qualquer pessoa, situação ou coisa, querendo definir as regras.

Aliás, regras, devem limitar-se ao respeito pela minha integridade física: - Não me toque sem permissão e se dei permissão não me machuque. Tem que haver consenso e a dimensão do toque é proporcional.

As outras limitações estão no nosso controle pessoal:

-Se não gosto, não olho, não como, não ouço, não frequento, não falo sobre.

Opinião a gente guarda, avalia o resultado e aprimora o caráter.

Você não gosta de diversidade, problema seu, vai ter que arranjar um caminho para entender que ela existe e o ser humano não pode ser classificado segundo os seus restritos padrões de compreensão.

Aquilo que não pode ser feito, já está descrito na legislação. Cor de pele, condição sócio-econômica, diversidade de gênero, orientação religiosa, pessoas com deficiência, idosos, para todo lado que você olhar vai perceber que existe e não é você quem define isso.

Isso lhe confere o poder necessário para conviver em harmonia com quem se posiciona diferente de você.

Se a pessoa tira a roupa em público, a lei prevê o que deve ser feito, se fala palavrões, ou realiza suas necessidades fisiológicas, ou expõe os órgãos sexuais, ou desfere um soco, um tapa, um tiro, a lei também prevê. 

Liberdade - Pondere o tamanho do espectro que essa palavra representa e veja se é capaz de praticar em mão dupla.

Amor incondicional - Esse é possível, inclusive em silêncio.

Nenhum de nós sabe o tipo de drama ou necessidade interior que uma pessoa vive. Querer colocá-la dentro dos nossos padrões “elevados” pode até condená-la à morte.

Nossas guerras e tragédias em geral nascem daí, desde que o mundo se conhece e está na hora de mudar isso.

Somos uma população. Estamos todos juntos, ocupando o mesmo lugar.

Nenhum comentário:

Frequências

jornal web Farol Comunitário

Pode acreditar

Tudo vale a pena se a alma não é pequena - Fernando Pessoa